Wednesday, November 2, 2011

Post antigo

Achei esse post que escrevi no dia 20 de Maio de 2010, mas nao publiquei. Pois eh... ha quase um ano e meio atras. E vou deixa-lo como esta, pois ainda penso e me sinto da mesma maneira.

-----------------------------------------------------------------

Envelhecer eh interessante se voce realmente pensar a respeito. Por termos somente uma vida a viver, experienciamos essas fases somente uma vez. E ca estou, com 34 anos de idade, quando me sinto a mesma de quando era adolescente.

Alias, nesse tempo aprendi muita coisa, cresci e amadureci. Deixei um pouco a inocencia de lado, mas minha essencia, minha personalidade, qualidades e integridade continuam as mesmas. Posso dizer que sou uma versao melhor da mesma Lucia. Tem certas coisas que hoje em dia eu nao tolero quando antigamente eu cedia. E hoje em dia, por estar na idade que estou, eu fico pensando em como era a vida dos meus pais nessa mesma etapa da vida. Parece que eu finalmente consigo enxergar e entende-los melhor somente agora.

Fico pensando: com 34 anos de idade minha mae ja tinha tido tres filhas, a mais nova com 2 anos. Eu nao consigo imaginar ter 3 filhas nessa minha idade!!! Nunca experienciei ser mae e nem quero, entao talvez nao consiga entender exatamente pelo o que ela passou quando se trata de filhos. Mas em geral, tudo que sei sobre ela, seus medos, ansiedades, sonhos, alegrias, hoje em dia, tudo isso tem um significado diferente pra mim.

Fico aqui meio sem saber como explicar o que quero dizer, mas eh como se eu finalmente a visse como uma pessoa, envez de somente minha mae. A visse como uma pessoa de fora ou uma amiga, a visse com outros olhos, alem de filha. Falando assim parece que nao dava importancia a ela, nao eh isso, mas quando vc ve alguem somente como mae ou pai, voce - pelo menos eu - nao compreende inteiramente os pensamentos e sentimentos da pessoa. Nao sabe a historia completa ou os detalhes de cada um. Agora eu consigo me colocar no lugar deles.

Tipo, sabia quando ela estava triste ou alegre, mas via minha mae com os olhinhos de crianca, ficava triste ou alegre com ela, mas nao compreendia o todo. Hoje, depois de passar por minhas proprias experiencias de vida, eu posso dizer que cheguei nesse ponto de finalmente entender certos de seus sentimentos. E o que mais me amargura nessa vida eh de nao poder compartilhar isso com ela nesse momento.

Engracado eh que isso me veio super a tona quando assisti um filme chamado: Revolutionary Road. Antes deixa eu comentar que a atuacao do Leonardo DiCaprio e Kate Winslet foram fantasticas! O filme nao eh assim maravilhoso que valeria ganhar um oscar, mas a atuacao dos dois sim! E a historia me fez pensar bem em como essas duas pessoas, casadas e com filhos ainda eram as mesmas pessoas de antes. Pessoas com ambicoes, sonhos a conquistar, mas aquelas que infelizmente deixaram a vida acontecer envez de tomar as redeas dela nas suas proprias maos. Ate tentaram num certo ponto, mas outras coisas aconteceram que os forcaram a mudar os planos.

A personagem da Kate Winslet pensa como eu - nao quer ser igual a todo mundo, ter um emprego mediocre somente pra pagar as contas, algo que detesta fazer e que te consome. Ela quer viver, ela quer experienciar a vida, fazer algo que a entusiasme e se recusa a permanecer na mesma situacao. Infelizmente ela nao tem o apoio total do marido e nao vou contar o resto da historia senao perde a graca. So vou dizer que se anular, se conformar com as coisas do jeito que estao quando voce desesperadamente quer algo diferente, levam as pessoas ao desespero e infelicidade. Torno a repetir: atuacoes fantasticas desses 2 atores!

Eu nao sei bem explicar, mas os sentimentos e ideais diferentes de cada um desses personagens me fez pensar em como ainda sao 'pessoas' acima de tudo. Sao pessoas antes de serem maes ou pais, irmas ou irmaos e etc. Nao sabem de tudo, ainda lidam com frustracoes, amarguras, sonhos nao conquistados e a realidade da vida. E seus filhos nao sabem de nada disso, os vem somente como mamae e papai.

Nao estou comparando a vida de meus pais com esse filme, esta muito longe da realidade. So digo que por alguma razao, esse filme e essa historia me chamaram atencao a vida desses dois individuos e me fez pensar que assim como seus filhos nao enxergavam tudo isso que se passava dentro e entre deles, eu tb nao via ou consegui entender ate hoje: nao tinha a minima ideia do que realmente estava acontecendo ali no coracao de cada um ate recentemente. Talvez ate hoje nao saiba.

E fico aqui pensando como seria isso comigo se tivesse filhos. Sera que eles me conheceriam por inteira? Talvez nao, pois menos de 5 pessoas nessa vida me conhecem por inteira, sabem TUDO sobre mim. Eu nao mudei muito durante minha vida, me sinto a mesma pessoa da epoca de adolescencia e eh estranho parar pra pensar que ja estou com 34 anos. Minha mae tinha 34 anos, nao eh?! Sera que da pra entender?

Ou entao sera que eu mudei e nao percebi muito? Aprendi com os erros, caminhos que segui e decisoes que tomei e esse conhecimento que obti ao longo do tempo eh preciosissimo. Torno a dizer que eh estranho me ver com essa idade agora... a mesma idade da minha mae quando eu tinha 9 anos...

Nao sei nem explicar o que sinto quando penso em estar tendo uma vida diferente, na qual ja teria uma filha de 9 anos... Sinceramente, me da um nervoso e agonia tao grande, como se eu estivesse presa e sufocada, pois nao eh mesmo a vida que eu quero. E acho que seria um pouco igual a vida dessa personagem do filme, talvez me sentiria da mesma maneira.

E quando penso nisso, no como nao conseguia enxergar meus pais como pessoas alem de papai e mamae, achando que eu sabia de tudo naquela epoca de adolescente, me vem parte da musica do Renato Russo na cabeca:

"Voce diz que seus pais nao entendem, mas voce nao entende seus pais. Voce culpa seus pais por tudo, isso eh absurdo. Sao criancas como voce..."

Sabe quando voce escuta a musica durante sua vida toda, canta junto e tal, mas so recentemente caiu a fixa? So agora consegui entender o que ele quis dizer.

6 comments:

Lúcia Soares said...

Lucia, um post que merecia mesmo ser publicado. De uns tempos pra cá tem me acontecido olhar para uma pessoa e imaginar que ela já foi uma criança. Como uma doce criança pode se transformar nesse ou naquele adulto? E olha que tenho muitos anos a mais que você, então é fato que a vida inteira da gente é de descobertas, de aprendizado.
Ninguém vê pai e mãe como "pessoas", vê apenas como ...pai e mãe. E temos que ser perfeitos, infalíveis, prontos pra responder a tudo, a atender a tudo...
Ter filhos pode ser sufocante, tanto quanto é prazeroso.
Entendo perfeitamente sua colocação, também passei por isso, só bem mais velha percebi que meu pai e minha mãe eram um homem e uma mulher, não "apenas" meus pais.
Seu post é comovente.
Beijo!

zzaguiar said...

sabe amiga, estou tentando ver algumas pessoas tb um pouco saindo da condição existente, digamos assim. Ver com um olhar mais distante, para poder entender melhor.

Engraçado, por alguma razão vc escolheu este momento para postar, qual é a de hoje?

Beijinhos, zz.

Lucia Maria said...

Lucia, que bom que deu pra entender o que escrevi, foi meio dificil de explicar.

Zeze, nao teve razao pra eu posta-lo ontem. Estava simplesmente relendo os posts que tinha salvo e nao publicado e resolvi postar esse. Por acaso.

bjos

Fernando said...

Lúcia, seus textos sempre são excelentes, mas esse é o melhor de todos que li até hoje, você conseguiu explicar de uma forma bem clara, e simples algo que carrego dentro da cabeça. Minha mãe é do tipo q sempre se anulou, ha uns 10 anos atras nós estávamos conversando e começamos a falar de sonhos, de coisas q queríamos fazer e do nada ela fala q já não sonha com mais nada, não tem mais ambição nenhuma pro futuro, diferente desse personagem da Kate, acho q ela deve ter cansado e deixou de ser uma pessoa e possou a ser só mãe, se amulou por completo. Isso me matou um pouco por dentro, pq eu sou uma pessoa q sonha tanto, tem horas q já nem sonho é mais, vira delírio kkkkk, mas os grandes sonhos q tive até hoje, são a minha realidade, conquistei tudo, mas continuo buscando coisas novas. Os sonhos e desejos nos movem pra frente, e uma pessoa q não sonha mais? Olha se eu viver 100 anos nunca vou esquecer do dia q ouvi isso, quero ter filhos, mas nunca deixarei de ser uma pessoa pra ser somente pai, vou voltar a ser criança, bem ainda sou, nunca deixei morrer a q existe dentro de mim, e o melhor voltar a crescer novamente, mas junto com meus filhos. Lindo mesmo esse seu texto, e ainda bem q vc resolveu publica-lo, um belo exercício de reflexão. Abraço.

Sandra said...

Amei o texto também. Que sensibilidade!!
Acredito que ninguém te conhece mais por inteiro do que você mesma. As nossas dúvidas e inquietações são muitas vezes difíceis de serem divididas com alguém ou muitas vezes são incompreendidas pelos outros. Os pais durante um longo período não conseguem se desvencilhar do papel de pai e mãe e muitas vezes se "anulam" para se dedicar integralmente a esse "ofício" porque eles também sabem que acima de tudo precisam ser provedores de um lar. Bom, mas isso é um assunto muito longo, rs.... Um filme que assisti recentemente e me fez pensar muito sobre a vida e as nossas escolhas foi o Meia Noite em Paris do Woody Allen. Vale assisti-lo. Um abraço...

Glau Nott said...

hahaha eu tb tenho posts na manga kkk eh engracado que depois de um tempo nos sentimos mt melhor em publica-los neh? tb ja fiz isso.. alias fazer-se explica mt coisa. Mt filosifca vc esta nessa post.. eu tenho e n tenho vontade de ser mae, ja tive fases que queria mt e outras nao.. acho que ta mais pro nao doq pro sim, mas nunca se sabe neh.. mudamos tanto!
bjooo