Monday, January 10, 2011

Confianca

Tenho notado algo diferente em mim... Quanto mais velha eu fico, menos eu confio nas pessoas. Sera talvez por ter aprendido com certas coisas e ficado esperta? Nesses ultimos meses, quando tive que pensar e escolher certas pessoas ao meu redor pra uma determinada coisa, o numero foi bem pequeno. Dava pra contar nos dedos de uma mao so!

Sabe quando voce fica meio desconfiada com os reais motivos de uma pessoa quando ela te pergunta algo? Se eu nao me sinto bem em responder, eu nao respondo e acabo passando por ser meio "curta" ou grossa - ou talvez direta? E tb nao conto ou divido com a pessoa o que aconteceu, esta acontecendo ou vai acontecer...

Estranho isso, pois eu sempre fui uma pessoa super aberta, mas que tb ja tomou muito com isso, apesar de ter amigos maravilhosos ao meu redor. Mas tai a palavra chave: amigos! Amigos verdadeiros, os quais eu prezo mais que tudo. Amigos que confio pra contar as coisas mais intimas do fundo do meu coracao sem medo de ser julgada. Sao pouquissimos, mas essas pessoas sao tudo pra mim!

Tai o dilema: se eu me fechar assim, como eh que daria chance pra fazer novas amizades? Posso ate dizer que nao preciso de mais amigos, mas come on! Voce nunca sabe se vai encontrar uma pessoa bem bacana na proxima esquina assim sem querer.

Acho que o segredo eh ter cautela. Faz tempo que eu tenho avaliado as pessoas que entram na minha vida e so deixo permanecer nela, aqueles que se provam verdadeiros. Palavras nao dizem muito, mas sim o agir. O resto delas sao descartadas. Tento me rodear de pessoas inteligentes, sensiveis, amigas, verdadeiras, fortes, com mente aberta e um otimo astral. Pessoas positivas e de bem com a vida! Qualquer outra que eh negativa nao tem lugar aqui do meu lado.

Voltando ao assunto entao, acho que devo ter cautela. Nao devo me abrir ou me expor assim de cara pra qualquer um, mas ao mesmo tempo nao devo me fechar e desconfiar de todo mundo assim no primeiro instante. Isso tem acontecido frequentemente.

Um meio termo eh sempre bom, ne? Isso da tempo e jeito de voce poder avaliar as intencoes dos outros e se proteger ao mesmo tempo. Foi dificil eu mudar meu comportamento pra ser dessa maneira, mas juro que ultimamente, com certas coisas acontecendo eu tenho receio de me abrir como antes. E ate mesmo aqui no blog eu estou tendo mania de escrever, escrever e escrever, mas nao postar e guardar os meus rascunhos so pros meus olhos... ja devo ter uns 30 e o numero desses nao postados nao para de crescer.

Sera que da pra ser como era antes?

9 comments:

Beth/Lilás said...

Querida, eu sou do meio termo, acho que hoje em dia está cada vez mais difícil fazer amigos e confiar neles.
Sou daquelas que quando gosto da pessoa, me atiro de cabeça, mas sei que isso não é o certo e não recomendo que outros façam o mesmo, pois chega uma hora que podemos nos machucar feio.
um beijinho carioca

Nani said...

Lu, te entendo. Nao eh tudo que eu escrevo no blog. A gente tem que "medir" aquilo que coloca online pra todos verem. O blog eh bom para compartilharmos certas coisas, fazer amizades... aprendi muito com o tempo. As vezes ainda acho que "falo (escrevo) demais". Mas tenho me controlado bastante. Sou como voce, sou dificil de confiar. Como diz meu pai "confio desconfiando". Claro, como voce falou tem aqueles que sabemos que podemos confiar mesmo. Amigos, tenho muitos amigos de verdade, inclusive online. Confianca a gente build com o tempo e a convivencia. Beijo grande

zzaguiar said...

Qdo penso no nascimento de nossa amizade, é exatamente assim como me sinto! será que hoje eu deveria ser menos dura?

Mas acho que a palavra cabível a situação é outra, madura. Com certas porradas, só mesmo ficando mais atenta. Infelizmente as pessoas não são exatamente como nós. É preciso sim cautela com oque temos de mais preciso, os nossos sentimentos e pensamentos. Assim, não corremso o risco de deixá-los cairem em mãos erradas.

Independente de deixarmos as portinhas escancaradas ou não, continuamos as mesmas pessoas. Agora com as chaves nas mãos e com a decisão dé abrí-las qdo for o momento. Cuide de sua casinha amiga!

Como diz Ben Jor: Olha aí meu bem. Prudência e dinheiro no bolso. Canja de galinha. Não faz mal a ninguém...

Com amor, zz.

Line said...

Oi Lu,
Eu concordo com tudo que vc disse, e às vezes me sinto assim também, muito desconfiada. Sinto falta dos meus amigos verdadeiros, com os quais eu não precisava medir palavras. Eu acho que quanto mais velho a gente vai ficando, mais seletiva a gente fica. Só temos que ter cuidado pra não ficarmos seletivas demais, idealizando amizades perfeitas, pessoas perfeitas que nunca vão existir. O meio termo seria ideal, mas confesso que eu ainda estou tentando alcançar esse equilíbrio e voltar a confiar mais nas pessoas, me abrir mais, porque ninguém vive sozinho, e é tão bom ter amigos. mas infelizmente quanto mais eu conheço as pessoas, mais gosto dos animais!

Beijos!

Lu Souza Brito said...

Ihhhhh Lu, é complicado estas coisas. Eu ainda quebro muito a cara por ser muito aberta, por achar que todos são confiáveis, tals. A gente tem que selecionar mesmo, dar oportunidade a novas amizades, mas vc disse muito bem: cautela.
Eu já vou logo achando que todo mundo é meu amigo, que é confiável,etc. Ano passado mesmo me lasquei numa situação assim. Depois disso, sinto também que ando desconfiada demais das pessoas. Bom por um lado- porque a gente se previne, ruim por outro, por que a gente limita e com isso pode deixar de ter um excelente amigo por ter sempre o pé atrás.
Eu ainda tenho que aprender (muito)!
Bjos

Monica said...

Oi Lu, eu estou naquela fase em que ando tão decepcionada com as pessoas que tudo o que eu vir a escrever aqui será negativo. Mas não devemos esquecer que estas pessoas aparecem em nossas vidas por alguma razão... quizás, com toda modéstia seremos exemplos para que elas se tornem pessoas melhores, ou quizás ainda temos que aprender algo com elas. Ainda prefiro pensar desta maneira ainda que os meus sentimentos hoje estão em discordia. Faça sempre o melhor de você but always in balance. bjs

Crica Viegas said...

A gente fica menos inocente com o tempo, e isso nos faz manter o alerta mais ligado...mas como vc disse, temos que ter cautela pra não nos fecharmos totalmente pra oportunidades novas de fazer boas amizades.

Gisley Scott said...

Lu,

Olha te entendo perfeitamente.Por aqui já me queimei com brasileiro, com sulistas americanos, com latino, mas pessoas são pessoas e todo mundo tem defeito.

Creio que com o passar do tempo ficamos mais calejados,sabe? Eu fiz uma amizade que achei que tinha vindo pra ficar, mas acabei me decepcionando e foi contar da minha vida justamente para a pessoa com a qual eu estava chateada, só sei que até o nome do meu marido saiu no meio tb, um horror...

Infelismente Lu não dá pra detectar quem é bom e quem é ruim.Uma vez meu esposo me disse o seguinte:

"Gi, vc tem high standards about friendships.The problem is not your standards.The problem is that most of people have very low standards.That doesn't mean you won't find friends, but it means it will be very difficult.It's like getting a white rock in the middle of many many dark rocks.It's going to take time".

Nossa, aquilo ali ficou comigo.Estou resolvendo dá tempo ao tempo e tenho procurado observar mais as pessoas ao invés de me empolgar com a empolgação dos outros,rs...mas não desista as pessoas certas virão!

Lúcia Soares said...

Lúcia, talvez por ser sincera, leal, eu me dou muito facilmente. Gosto imediatamente (ou não) de alguém e mantenho minha opinião.
Tenho tido "feeling" certo para escolher as pessoas que entram em minha vida.
No mundo virtual, tenho algumas dúvidas, pois o "olho no olho" me diz muita coisa e isto não é possível de acontecer virtualmente.
Mas é fácil separar o joio do trigo. (acho...)
Bj