Monday, January 24, 2011

Meus pensamentos

Sabe quando um primeiro pensamento acaba se extendendo de um ao outro e voce acaba com um outro pensamento completamente diferente no final? Eu tenho mania de fazer isso e quando comento a respeito, Al mesmo ja me perguntou varias vezes: "O que te fez pensar nisso?" E ai voce tem que voltar todo o processo de pensamento pra ver o que fez uma coisa levar a outra e voce acabar chegando ali. As vezes eh ate legal e um bom exercicio para a memoria ir seguindo os rastros de pensamentos de tras pra frente.

Ontem, eu e Al ja estavamos deitados, quase dormindo e do nada eu perguntei a ele se ele achava que eu era mais proxima dele do que sua propria familia. Eu ja sabia da resposta, mas foi onde meu pensamento foi parar...

Ele falou: "Voce realmente pensa em coisas assim, ne?" Tipo, eu so penso em coisas que nao tem nada haver, rs. E dali, ele me respondeu que sim.

Acho que tinha comecado a pensar na minha mae, antes de chegar a essa pergunta e os pensamentos foram rolando, um levando ao outro, mas o que me fez ponderar foi o seguinte:

Voce cresce numa familia que te ama, passa esses anos todos sendo protegida por eles e um belo dia conhece um estranho total e essa pessoa acaba sendo a mais importante da sua vida. O Al pode ate me conhecer ha quase 15 anos, mas minha familia me conhece ha 35. Mas mesmo assim, eh estranho isso se voce for parar pra pensar bem...

Eu amo minha familia. Somos super juntos, super chegados e temos um laco super forte, mas eh interessante como um estranho total acaba fazendo parte de sua vida, acaba sendo aquele que te completa de uma maneira sem igual e acaba sendo tudo pra voce.

Hoje eu perguntei a ele o porque dele ter comentado que eu "realmente pensava nessas coisas". Ele disse que eh coisa que mulher pensa, que ele mesmo nunca pensaria a respeito... Eu comecei a rir, pois as vezes meus pensamentos vao longe e fico ponderando sobre coisas que talvez muita gente nem pense a respeito. Mas sera que eh coisa so de mulher mesmo? Ou sera que sou so eu?

Depois darei continuacao a esse assunto, pois tem algo que tenho pensado demais a respeito ultimamente e que me toca demais e me faz ficar super sensivel - o envelhecer, a morte, o passar do tempo e as memorias... Mas isso fica pra um outro dia.

So deixo por aqui agora, algo que vi o Rei Henry VIII falar na temporada final do seriado Tutors que ate me fez chorar. Parece algo pequeno, mas como disse, isso tem me tocado demais. Nesse episodio, ele ja estava velho e conversava com seu melhor amigo.

Perguntou a ele: "O que nesse mundo, um homem tem que pode perder e nunca mais conseguir recuperar?"

Seu amigo disse: "Sua honra"
O rei respondeu: "Nao. Honra pode ser recuperada de uma maneira ou outra"

Seu amigo tentou novamente: "Sua dignidade"
O rei respondeu: "Tambem nao. Sua dignidade pode tb ser recuperada entre os homens"

Nao sabendo a resposta, ele balancou a cabeca e disse: "Entao nao sei"
O rei simplesmente responde: "Tempo! Tempo eh algo que passa e nao importa o que fazemos a respeito, nunca mais conseguimos recupera-lo"

E como eu chorei... Como eu amei essa serie! Como nossa vida eh fragil! Como devemos valorizar cada dia e prestar atencao nos nossos atos!

Bom, me extendi demais! Talvez ate ja tenha falado o que queria falar... Talvez eu continue esse assunto num outro post...

5 comments:

Nani said...

Luuuuu! Eu to aqui imaginando como seria interessantissimo poder sentar com voce e conversar sobre esses assuntos. Penso muito assim, quase todos os dias.
Primeiro, o "tempo". Outro dia, antes de dormir, como sempre faco, fui no banheiro lavar o rosto e do nada eu parei e me olhei no espelho e tentei imaginar qual a sensacao eu teria se olhasse no espelho e me visse velha (nao to falando de aparencia fisica, rugas), mas do momento em si, do tempo que passou, do que eu vivi neste tempo, se eu seria uma velhinha proud to have lived my life to the fullest... nossa, foi uma sensacao estranha, muito estranha. To vendo meus anos passarem rapido demais, e as vezes me pergunto se estou vivendo-os como deveria, aproveitando-os como deveria.

Voltando ao assunto, de envelhecer, morrer... tenho pensado muito isso desde quando tive minha cirurgias no Brasil. Eu estive no hospital duas vezes e uma delas quase morri de apendicite pois ninguem acreditava que eu tinha algo. Diziam que era uma dor reflexo da minha cirurgia de hernia que tinha sido recente, se eu nao tivesse insistido em ir ao hospital, teria morrido sem ninguem saber o porque. Quando penso nisso me da uma dor sabe... e depois ainda continuei com dores por muitos meses, alias, ainda as tenho, e to com uma preocupacao enorme de ser algo "ruim crescendo" dentro de mim e de novo acharem que nao eh nada.
Penso no "morrer". Penso as vezes: serah que eu gostaria de morrer aqui perto do meu marido ou perto dos meus pais... sao tantas coisas que passam pela minha cabeca. Quando eu estava no Brasil passando por isso eu queria poder voltar logo pra caso algo ruim acontecesse eu morresse perto do Bryan, mas aqui penso, e minha familia? Ai, meus pensamentos vao longe...
Papo pra outra hora!

zzaguiar said...

Engraçado que mesmo distante, por inúmeras vezes nos pegamos com os mesmo pensamentos e sentimentos...

Mas é espetacular podermos estender nossos sentimentos por nossas escolhas. Afinidade é algo a se descobrir e qdo acontece é muito bacana.

Que Deus abençoe sempre vcs dois Luluzinha!

Bjos, zz.

Lucia Cintra said...

Nani, vou te mandar um email assim que puder. Precisava muito conversar com alguem que tb se sente assim e pensa nessas coisas. Preciso trocar ideias contigo... bjos

Celia said...

Os nossos pesamentos sao realmente muito interessantes. Eles correm na nossa cabeca de uma forma incrivel. É engrecado, como um pensamento leva a outro...a outro. Bj

Sandra said...

Nossa, fiquei tocada com tanta sensibilidade... Eu, as vezes paro e fico pensando na vida também e como mecanismo de defesa páro de pensar tanto para tentar não sofrer por antecipação, pensando no que poderá acontecer.
Aconteceu comigo chorar bastante na série In Treatment, especialmente na última temporada, a partir fiquei fiquei "in love" com o ator Gabriel Byrne...rs.. Nessa série mostra o quanto somos humanos e frágeis, especialmente os profissionais de saúde que lidam com outros seres humanos.
Parabéns pelo blog. Abraços.